Instrumentos de Medida

Farmacêutico, químico e inventor francês que nasceu em 26 de Fevereiro de 1728, na cidade de Senlis e faleceu em 15 de Outubro de 1804, em Paris. Em 1745, ele foi aprendiz numa farmácia em Paris onde aprendeu Química. Em 1752, tornou-se professor de química no Colégio de França. Em 1766, conjuntamente com Pierre Joseph Macquer publicou um dicionário de Química chamado “Portable Dicionário de Artes e Ofícios”. Em Paris, dedicou-se ao avanço da ciência, tendo sido nomeado membro da Academia de Ciências. Além de ter escrito muitos livros científicos, ele criou uma escala hidrométrica (1768) para as medições das temperaturas de líquidos. Definiu ainda pontos de escala utilizando água pura e solução de cloreto de sódio, o que permitiu comparar escalas termométricas. Foi o inventor do Aerómetro de Baumé.

Químico e físico inglês que nasceu em Londres no dia 17 de Junho de 1832 e faleceu no dia 4 de Abril de 1919 na mesma cidade. Iniciou os seus estudos de química no Royal College of Chemistry. Em 1854 foi nomeado assistente do observatório de Radcliffe e, no ano seguinte, assumiu a regência da cadeira de química em Chester. Ao proceder à análise espectral de resíduos de minerais do Harz (1861) descobriu um novo elemento, o tálio. Nas suas investigações sobre a condutividade da electricidade em gases a baixa pressão, ele descobriu que à medida que se diminuía a pressão, o eléctrodo negativo emitia raios (os chamados raios catódicos) que, hoje, se reconhece serem um feixe de electrões livres, (utilizado nos dispositivos de vídeo padrão CRT, televisões). Este cientista foi um pioneiro na construção e no uso de tubos de vácuo para estudar fenómenos físicos. Em 1875 inventou o radiómetro (equipamento que permitia medir a intensidade das radiações de vários elementos) e em 1879 construiu o primeiro tubo de raios catódicos. Com a descoberta da radioactividade, ele dedicou-se ao estudo das novas áreas da física. Assim, em 1895, ele provou a presença do hélio no gás extraído de um fragmento de urânio e a necessidade que teve em observar o espectro de hélio, levou-o á invenção do espinteriscópio. Crookes foi um pioneiro na construção e no uso de tubos de vácuo para estudar fenómenos físicos. Em 1907 foi agraciado com o Prémio Nobel de Química.

Físico e matemático britânico que nasceu no ano de 1766 em Largos e que morreu em 1832 em Coates. Foi professor na Universidade de Edimburgo, tendo efectuado trabalhos no Campo da Análise Matemática e da Geometria. No campo da Física foi o inventor do termómetro, do fotómetro e do higrómetro. A ele deve-se o desenvolvimento do método para obter gelo artificial.

Físico, químico, inventor, engenheiro hidráulico, escritor, tradutor e conferencista que nasceu no ano de 1753 e morreu no ano de 1815, em Londres. Descobriu um processo básico para a pesquisa química e para a indústria a electrólise (decomposição da água nos gases componentes utilizando a corrente eléctrica produzida pela pilha de volta). Entre 1790 e 1800 inventou um hidrómetro e um areómetro para medir densidade de líquidos.

Clérigo e físico francês que nasceu a 19 de Novembro de 1700 e faleceu a 25 de Abril de 1770. Era conhecido como abade Nollet por ter sido responsável por um mosteiro. Notabilizou-se, particularmente, no campo da electricidade. Ensina física num colégio de Navarra e em 1743, publicou a obra Lecciones de física experimental. Além de ter sido membro da Royal Society de Londres em 1734 foi professor de física experimental na Universidade de Paris. A ele se deve a descoberta da propagação do som em meio líquido. Além de ter em 1750 inventado um electroscópio com lâminas de ouro, executou alterações na garrafa de Leiden (substituiu a água contida na garrafa por lâminas de estanho ou de cobre).

Matemático português que nasceu em Alcácer do Sal em 1502 e faleceu em Coimbra a 11 de Agosto de 1578. Em Salamanca estudou artes, matemática e medicina. A obra que lhe deu renome além fronteiras foi “De Crepusculis” que descreve a invenção do nónio. Ele também foi o inventor das linhas de rumo, posteriormente designadas por loxodromias.

Professor de matemática e engenheiro que nasceu em 1788, em Metz. Em 1812, tendo lutado com as forças francesas na Rússia caiu prisioneiro. Durante os dezoito meses de cativeiro começou a escrever um dos seus trabalhos mais notáveis -a Geometria Projectiva, teoria em que Desargues e Pascal tinham já dado os primeiros passos no século XVII. Em 1814, voltou à França e, a partir de 1815, publicou as suas criações nos "Anais da Matemática". Os seus trabalhos iniciais foram sobre os polígonos inscritos e circunscritos a uma cónica, mas o mais importante foi o "Ensaio sobre as projectivas das secções cónicas", em 1820. Este último foi melhorado e reproduzido dois anos depois, tomando o título "Tratado das propriedades projectivas das figuras". Nestas obras, Poncelet observou que certas propriedades das figuras se mantinham constantes, quando as figuras sofriam deformações por projecções. Além de ter sido o matemático que estabeleceu o conceito da razão dupla ou anarmônica (propriedade métrica que se conserva em projecção) , ele conseguiu, posteriormente e com base nesta última descoberta, unificar as geometrias numa só,ou seja, criar a pan-geometria.

Astrónomo inglês nascido a 6 de Outubro de 1735, em Salterhebble e falecido a 5 de Novembro de 1800, em Brighton, Inglaterra. Como a sua família não tinha muitas posses ele foi estudar para uma escola pública em Halifax entre 1744 e 1747. Mais tarde, em Yorkshire, estudou matemática com Revd Sr. Hall. Com 27 anos de idade ele tinha o seu próprio negócio em Londres no Strand, onde foi reconhecido como o mais habilidoso projectista de matemática, astronomia, vigilância e instrumentos para navegação no século XVIII. Em 1755 inventou uma máquina capaz de marcar escalas graduadas em sextantes e noutros instrumentos náuticos e astronómicos. Melhorou o fabrico de instrumentos tais como: os sextantes, os barómetros e os micrómetros. Em 1798 recebeu o prémio Fellow da Royal Society de Edimburgo.

Biólogo, naturalista e físico francês que nasceu a 28 de Fevereiro de 1683, em La Rochelle, e faleceu em 17 de Outubro de 1757, em Saint-Julien-du-Terroux. Fez os estudos básicos em Poitiers e em Bourges, onde adquiriu o gosto pela matemática. Em 1703 mudou-se para Paris e em 1708 entrou para a Académie des Sciences a fim de se especializar em geometria. Foi um estudioso da biologia marinha e da geologia. Em 1718 publicou um trabalho de agronomia de nome: «Réflexions sur l’état des bois du royaume». Na década seguinte publicou o «Tratado Sobre a Arte de Converter o Ferro em Aço», um artigo que o tornou célebre. Por um período curto pesquisou o processo de fabricação da porcelana (1727-1729), cujo produto ficou conhecido como a porcelana de Réaumur. Em 1730, inventou um termómetro a álcool e apresentou uma escala termométrica para este tipo de termómetros que variava de zero graus (o ponto de congelamento da água) a oitenta graus (ponto de ebulição da água). Como especialista no estudo do desenvolvimento dos hábitos e comportamento dos insectos publicou, entre 1734 e 1742, a obra: «Mémoires pour servir à l’histoire des insectes». Também publicou as primeiras experiências sobre a digestão das aves e sobre o papel da temperatura no desenvolvimento destas, e, ainda, demonstrou o poder do suco gástrico na digestão dos alimentos. Foi membro da Académie des Sciences, tendo deixado para a Academia uma grande colecção de plantas e minerais.

Físico e matemático italiano que nasceu em 1608 e morreu em 1647. Torricelli, em 1627, em Roma, estudou ciências com Benedetto Castelli, que era professor de matemática no Collegio di Sapienza. Tendo-se dedicado ao estudo de Duas Novas Ciências, os desenvolvimentos dos princípios mecânicos aí focados, levaram-no à publicação do tratado De motu. O envio desta obra, por Castelli, a Galileu, em 1641, levou a que Torricelli partisse para Florença, onde residiu com Galileu durante os últimos três meses de vida deste cientista. Após a morte de Galileu, Torricelli foi nomeado matemático do grão-duque e professor de matemática na Academia Florentina. Em 1643 descobriu o princípio do barómetro que perpetuou a sua fama ("tubo de Torricelli", "vácuo de Torricelli").

Matemático e inventor que nasceu em 1580 e faleceu em 1637, em França. Desde muito cedo, revelou o interesse pelas ciências. Das obras que publicou existe uma que lhe deu fama: a construção e o uso das propriedades do novo quadrante de matemática (em 1631). A ele também se deve a modificação do nónio, instrumento de medição atribuído ao matemático português Pedro Nunes.

Físico que nasceu em 1793 e faleceu no ano de 1880, em França. Tendo sido empregado das alfândegas, a ele se deve o desenvolvimento e a intenção de máximos e de mínimos em hipsometria, e um barómetro para avaliar a profundidade de um mergulho. Foi o editor das Obras completas de Diederot e um dos fundadores da sociedade da Geologia da França. Teve um papel importante e activo no processo de perfuração do antigo poço de Grenelle.

Nasceu a 6 de Agosto de 1766, em Norfolk, Inglaterra e faleceu a 2 de Dezembro de 1828, em Londres. Em 1793 obteve o doutoramento em Medicina pela Universidade de Cambridge. Durante os seus estudos interessou-se pelas seguintes áreas: química, cristalografia, metalurgia e física. Em 1800 deixou a área de Medicina e concentrou-se na sua vocação de químico e físico. Wollaston desenvolveu um método físico-químico para extrair a platina do respectivo minério. Durante este processo descobriu os elementos paládio e ródio. Este cientista britânico também se notabilizou pelas suas observações das linhas escuras do espectro solar que conduziram à descoberta dos elementos químicos do sol e pelos seus trabalhos sobre dispositivos ópticos. Durante os seus últimos anos de sua vida realizou experiências eléctricas que conduziram à criação do motor eléctrico.