A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

Médico e físico francês que nasceu em 30 de Junho de 1791, em Mézières e que faleceu em 16 de Março de 1841, em Paris.
Em 1828, no Colégio de França, em Paris tirou o curso de medicina e no mesmo colégio, em 1836, foi professor de Física.
Dedicou-se ao estudo de vários ramos da física, em particular da Acústica e do Electromagnetismo. Estudou a acústica do ar, da voz humana, do canto das aves, de sólidos em vibração e das ondas sonoras em líquidos em movimento, tendo inventado o ressonador de Savart que permitiu medir as vibrações sonoras e explicar o funcionamento do violino. Detectou ainda a perceptibilidade do som no ouvido humano, descobrindo que as ondas sonoras de frequência acima dos 15.000 Hz eram pouco audíveis e as que tinham frequências da ordem dos 48.000 Hz eram imperceptíveis.
A ele se deve a invenção do quartzo de Savart que permitiu estudar a polarização da luz.
No Electromagnetismo conjuntamente com Bio formulou a célebre Lei de Bio-Savart que descreve a origem do campo de indução magnética estático, B criado por um fluxo de corrente num condutor.
Em sua honra existe uma unidade de frequência de nome Savart.

Químico, físico, matemático e professor que nasceu em 8 de Abril de 1779, em Erlangen e faleceu em 6 de Setembro de 1857, em Halle.
Em 1819, frequentou o Ginásio de Bayreuth, em 1803, a Escola Politécnica de Nuremberg e, em 1820, a Universidade de Halle, onde se licenciou em 1800.
Foi professor em Bayreuth, Nuremberg, Erlangen e Halle.
Dedicou-se ao estudo do Electromagnetismo, tendo sido o primeiro a usar o desvio de uma agulha magnética na medição da força electromotriz.
Publicou vários jornais sobre Química e sobre Física, tendo sido um crítico da Teoria de Volta.
A ele se deve o nome de cloro ao halogéneo descoberto por Humphry Davy, em 1810.

Médico e físico que nasceu em 9 de Abril de 1770, em Reval, Estónia e que faleceu em 10 de Dezembro de 1831, em Berlim. Em 1802, formou-se em Medicina na Universidade de Gottingen.
Como gostava de Física abandonou a Medicina para se dedicar à investigação nos ramos do Calor e da Electricidade.
Em 1806, observou os efeitos do calor e de substâncias químicas no espectro solar.
Em 1808, combinou quimicamente o amoníaco com o óxido de mercúrio, obtendo um novo produto químico.
Em 1816, apresentou um trabalho sobre “Polarização”, ao qual lhe foi atribuído um prémio.
Em 1820, realizou várias experiências que lhe permitiram concluir que o calor e a electricidade estavam interligados.
Em 1821, verificou que ao juntar, num circuito fechado, uma folha de alumínio a outra de bismuto se gerava uma corrente eléctrica, cujo valor dependia dos materiais que a provocavam e da temperatura a que os mesmos se encontravam. Em consequência desta descoberta, inventou o termopar (aparelho que faz medições de temperatura com elevada sensibilidade e precisão e que permite gerar corrente eléctrica).
Foi um dos membros da Academia de Berlim.

Físico e inventor sueco que nasceu em 3 de Dezembro de 1886, em Orebro e faleceu em 26 de Setembro de1978, em Estocolmo. Em 1906, entrou para a Universidade de Lund e, em 1911 com a tese “Magnetische Feldmessung” fez o doutoramento.
Entre 1907 e 1911, foi assistente do Professor J. R. Rydberg no Instituto de Física da Universidade de Lund e, em 1915, foi professor de Física.
Em 1920, foi professor nas Universidades de Lund e, entre 1924 e 1937, por morte de Rydberg, foi professor titular de Física experimental na Universidade de Uppsala e da Academia Real de Ciências da Suécia.
Em 1923, publicou vários livros, sendo o mais conhecido o de Spektroskopie der Röntgenstrahlen.
Em 1924, recebeu o prémio Nobel da Física, pelas descobertas e pesquisas no campo da Espectroscopia dos Raios-X.
Entre 1908 e 1922 viajou pelos centros de pesquisa científica da Europa, Canadá e Estados Unidos.
Entre 1924 e 1925 deu cursos nas Universidades de Columbia, Yale, Harvard, Cornell, Chicago, Berkeley, Pasadena, Montreal e noutras universidades e, entre 1946 e 1953, visitou os principais institutos de pesquisa nuclear nos EUA.
Em 1937, foi Membro da Comissão Internacional de Pesos e de Medidas e membro honorário desta comissão em 1956.
Entre 1938-1947 foi Presidente da União Internacional de Físicos.
Em 1934, foi condecorado com a medalha Hughes, em 1940, com a medalha Rumford e, em 1948, com a medalha Duddel da Sociedade Real de Londres.
Entre 1937-1964 foi Director do Instituto Nobel de Física.
Foi doutor honorário em várias faculdades como: Freiburg (1931), Bucareste (1942), Oslo (1946), Paris (1952), Estocolmo (1957) e membro de várias academias como: Royal Society de Londres e de Edinburgo e Academia das Ciências de Paris.
A ele se deve a invenção de um espectroscópio a vácuo.

Físico francês que nasceu em 1806, na cidade de Pont-d'Aspach e faleceu em 1865, em Paris.
Antes de se tornar guarda das coleções Conservatório de Artes e Ofícios de Paris entre 1835-1848, foi assistente na Faculdade de Ciências(1848).
Em 1843, apresentou à Academia de Ciências, o heliostato por si inventado, que tinha a particularidade de captar a radiação solar através de um mecanismo de relógio, o que tornava possível uma análise por longos periodos de tempo da incidência da luz solar e dos respectivos espectros.
Como pioneiro da Termoquímica, ele fez as primeiras determinações do calor de combustão das substâncias orgânicas (1850 a 1855), mediu o calor produzido pela corrente eléctrica e utilizou a galvanoplastia de medalhas.
Além da invenção do heliostato construiu uma lente fotométrica para a medição da distância focal, um refratómetro (chamado de dispositivo Silbermann) e um pirómetro.

Inventor e engenheiro electrotécnico que nasceu em 1860, em Cotland ( New York ) e faleceu em 1930, em Brooklyn, New York. Formou-se em Cornell University, tendo inventado uma das primeiras lâmpadas com arco eléctrico (1880). A ele se deve, o fabrico dos primeiros equipamentos giroscópios para plataformas de bússolas e para a estabilização de navios. Em 1910, foi seleccionado para fornecer equipamentos de estabilização para a Marinha dos EUA. Em 1912, testou um modelo de pilotagem automática baseado nas propriedades do giroscópio. Foi pioneiro na invenção dos motores eléctricos e dos holofotes (1915) muito usados na I Guerra Mundial (1914-1918). A invenção mais importante que fez foi o giro compasso, instrumento de extrema utilidade na navegação oceânica, que tinha a particularidade de não ser afectado pelo magnetismo terrestre. Este instrumento permitiu o desenvolvimento da pilotagem automática para navios e aviões e outros giros por ele construídos foram utilizados no controlo de submarinos e de torpedos.