A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

Cientista, físico, matemático, astrónomo, alquimista e filósofo inglês que nasceu em 4 de Janeiro de 1643, em Woolsthorpe (Lincolnshire) e faleceu em 31 de Março de 1727, em Londres.
Em 1661 frequentou a Universidade de Cambridge, tendo-se dedicado à Matemática, Óptica, Física e Astronomia.
Durante a fase em que esta universidade esteve fechada, devido a uma epidemia, ele regressou a casa e começou a observar a gravidade dos corpos.
Em 1667, voltou a Cambridge, onde foi aluno no Trinity College e dois anos mais tarde, professor de Matemática.
Em 1668, a descoberta do telescópio reflector tornou-o conhecido na comunidade científica e, em 1672, foi feito membro da Royal Society.
Em meados da década de 1660, ele realizou uma série de experiências sobre a composição da luz, tendo descoberto que a luz branca era composta por um conjunto de cores como as observadas num arco-íris. Em 1704, publicou um trabalho sobre cor e luz.
Mais tarde, em 1687, com o apoio de um seu amigo, o astrônomo Edmond Halley, publicou o seu único e grande trabalho, o "Philosophiae Naturalis Principia Mathematica" que mostrava a existência de uma força universal – a gravidade a que estavam sujeitos todos os objectos do Universo e aonde foi descrita descreve a Lei da gravitação universal e as leis de Newton.
Em 1689, foi eleito Deputado por Cambridge University, tendo lá permanecido até 1702.
Em 1696, foi nomeado Director da Royal Mint (em Londres) e, em 1703, tornou-se Presidente da Royal Society, cargo que ocupou até à morte

Químico inglês que nasceu em 1753, em Londres e faleceu na mesma cidade, em 1815.
Na tentativa de estabelecer a ligação entre a pilha de Volta e o electroscópio,de forma a manter o contacto, ele verteu uma gota de água num disco metálico e inseriu nele um arame condutor, tendo ficado surpreendido com a formação de um gás que rapidamente identificou como hidrogénio. Decidiu ainda verificar o mesmo fenómeno introduzindo fios metálicos num pequeno tubo contendo água e observou para seu espanto que o outro constituinte da água, o oxigénio, não surgia no mesmo local do hidrogénio, mas sim junto do outro arame metálico, a alguns centímetros de distância. Deste modo, descobriu a electrólise da água: a água era decomposta nos seus elementos constituintes por acção de uma corrente eléctrica.
Além de ter feito a electrólise da água foi o inventor de um areómetro – o areómetro de Nicholson.

Físico italiano que nasceu em 1787 , em Trassilico e faleceu em 1836, em Florença. A ele se deve a criação do sistema “astat” constituído por dois pólos opostos de imans e que contribuíu para a construção do seu galvanómetro de grande sensibilidade (instrumento que lhe permitiu medir com precisão pequenas correntes elétricas). Também foi ele que inventou a pilha termolétrica e que levou a estudos sobre a potência térmica infravermelha.

Clérigo e físico francês que nasceu a 19 de Novembro de 1700 e faleceu a 25 de Abril de 1770. Era conhecido como abade Nollet por ter sido responsável por um mosteiro. Notabilizou-se, particularmente, no campo da electricidade. Ensina física num colégio de Navarra e em 1743, publicou a obra Lecciones de física experimental. Além de ter sido membro da Royal Society de Londres em 1734 foi professor de física experimental na Universidade de Paris. A ele se deve a descoberta da propagação do som em meio líquido. Além de ter em 1750 inventado um electroscópio com lâminas de ouro, executou alterações na garrafa de Leiden (substituiu a água contida na garrafa por lâminas de estanho ou de cobre).

Matemático português que nasceu em Alcácer do Sal em 1502 e faleceu em Coimbra a 11 de Agosto de 1578. Em Salamanca estudou artes, matemática e medicina. A obra que lhe deu renome além fronteiras foi “De Crepusculis” que descreve a invenção do nónio. Ele também foi o inventor das linhas de rumo, posteriormente designadas por loxodromias.