A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

Físico e astrónomo italiano que nasceu em 15 de Fevereiro de 1564, em Pisa (Itália) e faleceu em 8 de Janeiro de 1642, em Florença. Foi um observador das manchas solares, dos vales e das montanhas lunares. No campo da física descobriu as leis que regem o movimento da queda dos corpos e as relativas ao movimento dos projécteis. Dedicou-se à matemática, tendo feito discursos e demonstrações da mesma, e aplicando-a aos estudos que fez sobre o movimento e aos princípios da Mecânica. É considerado o físico defensor da Investigação Cientifica.

Nasceu a 9 de Setembro de 1737, em Bolonha na Itália e faleceu em 4 de Dezembro de 1798. Entrou na Universidade de Bolonha aos 22 anos e tornou-se um hábil cirurgião. A ele se devem importantes pesquisas sobre vários órgãos do corpo humano.
A partir de 1783 e influenciado pelos primeiros estudos sobre os fenómenos eléctricos mudou o rumo das suas pesquisas tendo-se dedicado quase por completo a esta nova área.

As sua maior descoberta foi a teoria de que os condutores, sobretudo os metálicos (condutores primários) conduzem a corrente eléctrica causando um estado de “impulsão” ou “incitação”. Em 1800, Volta reafirmou as suas ideias construindo a primeira pilha eléctrica, hoje chamada de pilha galvânica ou voltaica.
Já no último período da sua vida, Galvani tentou ainda provar as suas teorias através da observação dos torpedos (peixes eléctricos).

Matemático, astrónomo e físico alemão que nasceu em 30 de Abril de 1777, em Brunswick e faleceu em 23 de Fevereiro de 1855, em Göttingen.
Desde muito cedo e sozinho aprendeu a ler e trabalhar com números.
O Duque de Brunswick admirando os conhecimentos matemáticos que Gauss possuía fez questão de lhe assegurar o ensino secundário e o ensino universitário.
Com 12 anos, ele já criticava os fundamentos da geometria conhecidos naquela época, com 13 anos formulava uma geometria não-euclidiana e, com 16 anos, utilizava o seu próprio método para determinar as caracterísicas da órbita de um planeta a partir de um referencial ligado à Terra.
Aos 18 anos inventou o método dos quadrados mínimos e aos 22 anos calculou as funções elípticas.
Em 1798, formou–se pela Universidade de Göttingen.
Como matemático apresentou a teoria dos erros e desenvolveu o método geral para resolver equações binomiais e como físico dedicou–se ao estudo da Óptica, da Electricidade e do Magnetismo.
Em 1798, publicou “Disquisitiones arithmeticae”, em 1809, a “Teoria do movimento dos corpos celestes” e, em 1839, a “Teoria geral do magnetismo terrestre“.

Físico e químico que nasceu a 6 da Dezembro de 1778, em Saint-Léonard-Noblat e faleceu no dia 10 de Maio de 1850, em Paris. Além de ter sido professor de Física e de Química na Escola Politécnica foi acima de tudo um grande observador, tendo trabalhado incansavelmente para o progresso da ciência em benefício da humanidade. Em 1802, formulou a segunda lei dos gases, segundo a qual: “A pressão constante, o volume e a temperatura absoluta de um gás ideal variam na razão directa”. A ele também se deve a Lei volumétrica que afirma o seguinte: “Nas mesmas condições de pressão e de temperatura existe uma proporção de números inteiros e pequenos entre volumes dos gases participantes numa reacção química”. A sua tese publicada em 1808 referia-se à reacção entre o hidrogénio e o oxigénio que originava vapor de água. Em 1809, além de ter proposto o método químico de preparação do sódio e do potássio pela decomposição dos respectivos hidróxidos também aperfeiçoou o processo de fabricação do ácido sulfúrico (1818) e do ácido oxálico (1829).

Físico e matemático alemão que nasceu a 30 de Setembro de 1882, em Neustadt e faleceu em 24 de Setembro de 1945, em Berlim.
Em 1902, em Erlanger, estudou Física e Matemática e, em 1906, fez o doutoramento.
Em 1907, na Universidade de Manchester, trabalhou com Rutherford.
Em 1912, foi Director do Laboratório Alemão de Física e professor em Kiel, em Tübingen e em Berlim, respectivamente, em 1925, 1929 e a partir de 1935.
Durante a sua estadia no Reino Unido, ele construiu a 1ª versão do detector e contador de partículas que tem o seu nome – contador de Geiger - que permite a identificação da natureza das partículas alfa que eram na verdade átomos de hélio.
Em 1928 colaborando com Walter Muller aperfeiçou o seu invento fazendo–o capaz de detectar partículas ß (electrões) e fotões electromagnéticos.
Propôs com Mitchell Nuttall,a lei Geiger-Nuttal e realizou experiências que o levaram ao modelo atómico de Rutherford.
Foi membro do Clube do Urânio na Alemanha nazista que, durante a Segunda Guerra Mundial, trabalhou na construção da bomba atómica alemã, que por sinal não teve êxito.

Físico e inventor alemão que nasceu em 26 de Maio de 1814, em Igelshieb e faleceu em 24 de Janeiro de 1879, em Bonn.
Foi educado pelo seu pai e tal como ele dominava não só a arte de soprar vidro como também fabricava instrumentos como barómetros e termómetros.
Em 1852, ele já tinha a sua própria empresa de fabrico de instrumentos científicos e, em 1855, inventou uma bomba de vácuo que contribuiu para a invenção da primeira lâmpada incandescente, em 1879, de Thomas Edison.Os recipientes que utilizou para produzir o vácuo – os tubos de Geissler (tubos de vidro que continham gás a baixa pressão) desempenharam um papel importante nas experiências de descarga em tubos de vácuo e contribuíram para o estudo dos átomos e para o desenvolvimento da electricidade.
Em 1855, participou na Exposição Mundial em Paris, tendo recebido uma medalha de ouro pelas invenções do: termómetro, altímetro, vaporímetro e higrómetro.
Em 1852, conjuntamente com o físico Julius Plücker, publicou um artigo científico sobre “Termometria” e demonstrou que a água atingia uma densidade máxima de 3,8ºC.
Além das invenções a ele atribuídas também está incluída a bomba de Geissler e os contributos para a construção dos tubos de raios-x e dos tubos de raios catódicos (TV).
Entre 1868 – 1879, leccionou na Universidade de Bonn.
Foi reconhecido como um dos pioneiros inventores de equipamentos eléctricos e de vácuo.

Químico, físico e inventor francês que nasceu a 24 de Setembro de 1870 e faleceu a 23 de Maio de 1960. Por volta de 1902, provocou a 1º descarga eléctrica num tubo selado que continha gás néon com o intuito de criar uma lâmpada. Inspirado na invenção que continha de Daniel McFarlan Moore – a lâmpada de Moore, inventou a lâmpada de néon em 1915 fazendo uma descarga eléctrica através de um gás inerte, tendo comprovado que o brilho produzido era considerável. Em 1917 desenvolveu um processo para a fabricação da amónia, processo muito semelhante ao processo desenvolvido pelo químico alemão Fritz Haber. Nos seus esforços para encontrar novas fontes de energia, ele executou experiências para produção de electricidade utilizando a diferença de temperaturas entre o oceano e a superfície.

Físico e médico inglês que nasceu a 24 de Maio de 1554, em Colchester, (Inglaterra) e morreu a 10 de Dezembro de 1603, em Londres. Estudou e formou-se na Universidade de Cambridge. Tendo iniciado a sua carreira de medicina, foi médico da rainha Elizabeth I e do rei James I . Na área de Física, fez pesquisas nos campos do Magnetismo e da Electricidade. Por volta de 1600, realizou vários trabalhos nesta área, tal como “De Magnete”, “Magneticisque Corporibus et de Magno Magnet Tellure” sobre os ímanes, corpos magnéticos e íman terrestre, onde descreveu diversas experiências com o modelo da terra chamado “ terrella “. Com estas experiências, pode concluir que a Terra era magnética e esse foi o motivo pelo qual as bússolas apontavam para o norte. O seu trabalho tratou assuntos de Electricidade e de Estática. Este físico, foi o primeiro a utilizar termos de força eléctrica, atracção eléctrica e pólo magnético, tendo sido um intérprete da Mecânica Celestial Copérnica. Com os estudos que realizou, concluiu que as estrelas físicas não estavam todas à mesma distância da Terra.

Físico, astrónomo e professor que nasceu em 19 de Março de 1959, no Rio de Janeiro.
Desde criança, revelou um grande interesse pela natureza e pela música.
Frequentou durante dois anos Engenharia Química e depois ingressou no curso de Física da Universidade Católica do Rio de Janeiro. Em 1981, fez o bacharelato em Física e, um ano depois, na Universidade Federal do Rio de Janeiro, fez o mestrado. Em 1986, na Universidade de Londres fez o doutoramento. A partir de 1991 é professor e investigador de Astronomia e de Física numa Universidade norte–americana.
Pertenceu ao grupo de pesquisadores do Fermilab, em Chicago.
Em Dartmouth, é professor de uma disciplina chamada "Física para Poetas".
Além de ser um relator da história da ciência é um físico experimental de renome.
Em 1994 ganhou o prémio “Presidential Faculty Fellows Award“ dado pelo presidente Clinton pelo seu trabalho de pesquisa em Cosmologia e por ser um professor de renome.
Em 1995, recebeu o ”Dartmouth Award for Outstanding Creative or Scholarly Work” e, em 2001, venceu o prémio de “Divulgação Científica” de José Reis e foi eleito membro da Sociedade de Física Americana.
Em 2006 foi eleito Membro Permanente da Academia Brasileira de Filosofia.
Em 1997 lançou, no Brasil, o livro: “A Dança do Universo”, onde fala sobre a origem do Universo a nível cientifico e a nível religioso e, em 1998, foi–lhe atribuído o prémio Jabuti pelo livro editado. Em 2002, também recebeu o mesmo prémio por um outro livro: “O fim da Terra e do Céu”.
Em 2005 publicou uma coletânea intitulada “ Micro Macro” e escreveu uma peça de teatro do grupo Arte e Ciência no Palco que estreou no Festival de Curitiba.
Em 2006, publicou um romance : “A Harmonia do Mundo”, um best seller, sobre a vida e obra do astrónomo alemão Képler, estreou um filme “O Maior Amor do Mundo”, que conta a história de um astrofísico e apresentou um programa chamado "Poeira das Estrelas" sobre ciência e aonde focava temas sobre Astronomia e sobre a origem da vida.

Engenheiro eléctrico belga que nasceu em 4 de Abril de 1826 e faleceu em 20 de Janeiro de 1901. Em 1869, inventou a máquina do Gramme, um tipo de dínamo de corrente continua capaz de gerar tensões muito mais altas do que os dínamos conhecidos. Esta máquina foi o primeiro motor eléctrico bem sucedido na indústria e de potência elevada.

Físico que nasceu em 1688 em Hertogenbosch, Holanda, e faleceu em 1742, em Leyden. Gravesande terá sido um dos precursores do ensino da Filosofia newtoniana na primeira metade do século XVIII. Gravesande revelou-se um seguidor de Huygens e Leibniz no que respeita ao conceito de força viva ao afirmar no seu Essai d’une nouvelle théorie du choc des corps fondú sur l’experience, publicado em 1722, que a força viva de um corpo era proporcional à massa multiplicada pelo quadrado da velocidade do corpo. Em 1717, iniciou em Leyden a sua actividade como professor de Matemática e de Astronomia e, em 1737, foi nomeado professor de Filosofia.

Fisico alemão que nasceu a 2 de Novembro de 1602, em Magdeburgo e faleceu em 11 de Maio de 1686, na cidade de Hamburgo. Notabilizou-se pelo estudo do vácuo e da electrostática. Em 1650 construiu uma máquina que provava os princípios da pneumática. Realizou experiências sobre a propagação do som e sobre a extinção das chamas no vácuo. Em 1654, fez várias experiências com os hemisférios de Magdeburg, com o objectivo de estudar os efeitos da pressão atmosférica. A ele se deve a construção da primeira máquina electrostática.

Sacerdote e inventor que nasceu (data desconhecida) em Dezembro de 1685, em Santos (S. Paulo) e morreu em 19 de Novembro de 1724, em Toledo (Espanha).
Estudou no Seminário jesuíta de Belém e aí se ordenou sacerdote. Interessando–se pelo estudo da Física inventou uma máquina de elevar água.
Em 1701, veio para Portugal e licenciou–se em Direito canónico na Universidade de Coimbra.Aqui, desenvolveu os seus estudos de Física e de Matemática.
Em 1709, fez uma petição ao rei D. João V anunciando – lhe que tinha descoberto "um instrumento para andar no ar”; o projecto apresentado permitiria enviar avisos para territórios distanters, transportar produtos ultramarinos, prestar auxílio a praças sitiadas, descobrir as regiões próximas dos pólos e resolver o problema das longitudes. O rei, em 19 de Abril de 1709, deu–lhe todo o apoio necessário e o direito exclusivo de construção de máquinas voadoras.
Em 5 de Agosto de 1709, fez uma primeira experiência pública, na sala do Paço e na presença do rei, tentando fazer subir um globo de papel que tinha sob a abertura, uma pequena barquinha com fogo; o balão ardeu sem voar.Na 2º tentativa, em 7 ou 8 de Agosto, tal não aconteceu e em 8 de Agosto de 1709, na sala dos embaixadores da Casa da Índia, diante de D. João V, da Rainha, do Núncio Apostólico, Cardeal Conti (depois papa Inocêncio XIII), do Corpo Diplomático e demais membros da corte, o êxito foi total; ele fez elevar um pequeno balão de papel escuro e grosso, cheio de ar quente (produzido pelo fogo gerado numa tigela de barro que tinha na base, um tabuleiro de madeira encerada) até cerca de 4 metros de altura.
Em 3 de Outubro, lançou da Casa da Índia, um outro "instrumento de voar", fazendo–o elevar a grande altura.
Existe uma lenda de que durante a segunda metade do século XVIII, ele teria efectuado um voo num aeróstato por ele construído, entre o Castelo de S. Jorge e o Terreiro do Paço. Porém as experiências realizadas com aeróstatos só foram desenvolvidas na segunda metade do século XVIII pelos irmãos Montgolfier, Joseph Michel (1740-1810) e por Étienne (1745-1799).
Além de ter sido nomeado Capelão da Casa Real foi um promotor de aparelhos voadores, um A história relata que em Setembro de 1783 subiu um balão de ar aquecido que transportava três grande professor de Matemática e um pregador de prestígio.
A ele se devem as obras: “Manifesto Sumário para os Que Ignoram Poder-se Navegar pelo Elemento do Ar”, em 1709 e “Vários modos de Esgotar sem Gente as Naus que Fazem Água”, em 1710.

Inventor alemão que nasceu a 24 de Junho de 1390, em Mainz, Alemanha e faleceu em 3 de Fevereiro de 1468, na mesma cidade. Descobriu uma liga para os vários tipos de metal e tintas à base de óleo e inventou uma prensa gráfica inspirada nas prensas utilizadas para espremer as uvas no fabrico do vinho. A ele se deve ainda a invenção dos móveis de chumbo fundido, mais duradouros e resistentes que os da madeira. Foi considerado o criador do processo de Impressão com tipos (ou letras) móveis, para imprimir cópias de documentos – a tipografia.