Física Moderna

A Física Moderna surgiu no século XX, resultado de dois ramos da física que estando intimamente ligados como o magnetismo e a electricidade deram origem à teoria electromagnética. Esta teoria veio revolucionar todo o conhecimento científico anterior, levando a um novo entendimento das noções de espaço, de tempo, de medida, de causalidade, de simultaneidade, de trajectória e de posição. Hoje sabemos pela Teoria da Relatividade que a medida do tempo varia conforme a velocidade com que se deslocam observadores diferentes em diferentes referenciais, que o espaço é curvado pela presença da matéria, que a matéria e a energia são equivalentes, etc. Com o desenvolvimento da Mecânica Quântica descobriram os elementos atómicos, a luz e outras formas electromagnéticas com carácter dual. Na física do átomo distinguem-se dois ramos: um deles faz o estudo da estrutura exterior do átomo, composta por electrões (Física Electrónica) e o outro que trata do núcleo atómico (Física Nuclear) estudando a estrutura do núcleo, as suas propriedades fundamentais, as forças que o mantêm unido, as propriedades químicas dos átomos, a interacção atómica e todos os temas relacionados com a emissão e absorção de luz e radiações.

Wilhelm Conrad Roentgen

Físico alemão que nasceu em 27 de Março de 1845, em Lenneps, Remscheid e morreu em 10 de Fevereiro de 1923 em Munique. Entre 1876 e 1878 foi professor na Universidade de Estrasburgo posteriormente, catedrático na Universidade de Munique e director do Instituto de Física. Em 1895, descobriu um determinado tipo de radiação, os Raios X, que conseguiam atravessar corpos sólidos e delimitar, por exemplo, o esqueleto. A radiação inicialmente denominada por raios de Roentgen, em homenagem ao seu descobridor, foi utilizada para o diagnóstico médico.

William Crookes

Químico e físico inglês que nasceu em Londres no dia 17 de Junho de 1832 e faleceu no dia 4 de Abril de 1919 na mesma cidade. Iniciou os seus estudos de química no Royal College of Chemistry. Em 1854 foi nomeado assistente do observatório de Radcliffe e, no ano seguinte, assumiu a regência da cadeira de química em Chester. Ao proceder à análise espectral de resíduos de minerais do Harz (1861) descobriu um novo elemento, o tálio. Nas suas investigações sobre a condutividade da electricidade em gases a baixa pressão, ele descobriu que à medida que se diminuía a pressão, o eléctrodo negativo emitia raios (os chamados raios catódicos) que, hoje, se reconhece serem um feixe de electrões livres, (utilizado nos dispositivos de vídeo padrão CRT, televisões). Este cientista foi um pioneiro na construção e no uso de tubos de vácuo para estudar fenómenos físicos. Em 1875 inventou o radiómetro (equipamento que permitia medir a intensidade das radiações de vários elementos) e em 1879 construiu o primeiro tubo de raios catódicos. Com a descoberta da radioactividade, ele dedicou-se ao estudo das novas áreas da física. Assim, em 1895, ele provou a presença do hélio no gás extraído de um fragmento de urânio e a necessidade que teve em observar o espectro de hélio, levou-o á invenção do espinteriscópio. Crookes foi um pioneiro na construção e no uso de tubos de vácuo para estudar fenómenos físicos. Em 1907 foi agraciado com o Prémio Nobel de Química.

Câmara de Nevoeiro de Wilson

Tubo de Crookes